Fatos Históricos

Início/Fatos Históricos
Fatos Históricos 2015-05-12T14:29:23+00:00

A Maçonaria é composta de homens éticos, religiosos e que acreditam que com seu exemplo e posturas pessoais podem influenciar e servir de exemplo de dedicação, compromisso, ética, fraternidade, compreensão, tolerância como base de suas relações pessoais e profissionais, contudo, respeita o próximo e suas ideologias, convivendo harmonicamente com quem tem idéias ou posturas contrárias a seus pensamentos e ações.

Nesta convivência pacífica e harmônica, firmam-se parcerias e laços de amizades fraternos e sinceros podendo se estender a outros estados como também países, numa rede de relacionamentos onde a ajuda mútua se traduz num conselho, orientações, mudanças de postura de auto-respeito e, principalmente, de respeito e ajuda ao próximo, sem interesse algum, nem obtenção de vantagem ou privilégio algum com sua postura.

Antes mesmo de se converter em qualquer ajuda financeira ou pessoal, observa-se a postura e relações pessoais com os colegas, no local de trabalho, nos círculos sociais onde freqüenta. Assim, acontece quando se observa a postura correta e íntegra a aproximação pessoal e fraterna de vários irmãos tendo como base a relação de verdade nas relações profissionais e pessoais, pois, a Maçonaria não considera possível o progresso senão no respeito à personalidade, à justiça social e a mais estreita solidariedade entre os homens.

A maçonaria combate a ignorância, as superstições, o fanatismo, o orgulho, a intemperança, o vício, a discórdia, a dominação e os privilégios, sendo que na prática diária e com uma mudança consciente e perseverante que esse combate é feito no cotidiano por seus membros, nos seus locais de trabalho, família e relacionamentos sociais.

Outra prática difundida e aceita entre os maçons é a de praticar a tolerância, uma vez que se respeitam todas as religiões e ideologias políticas e dentro de seu templo tais assuntos não são discutidos uma vez que cada um é livre para frequentar, praticar ou seguir a religião que lhe convier, não cabendo a outro maçom qualquer crítica ou preconceito de nenhuma espécie ou motivo.

Muitas vezes, a maçonaria é confundida com sociedade secreta que representa um ledo engano. Como o poderia sê-lo? Uma sociedade secreta não deveria ser difícil conseguir informações ou textos sobre ela? Uma simples busca por um termo genérico, maçonaria gera aproximadamente 981.000 links, textos e figuras sobre ela. Isso seria realmente real para uma sociedade secreta? Acho que não, aliás, tenho certeza que não.

Por se tratar de uma instituição cujas tradições, condutas e posturas seguem através dos tempos de forma conservadora e ao mesmo tempo rígida, combater as discriminações e atos de denigrem e remontam a escravidão que pode ter, entre seus membros, homens ilustres em posição que os permitam, por exemplo, contribuir de forma decisiva e direta em várias áreas, tanto no Brasil, quanto na Europa.

Nos quadro das Lojas Maçônicas sempre tiveram permeados por intelectuais, políticos e autoridades de todas as esferas, empresários e pessoas de expressão, como por exemplo, Filósofos como Voltaire, Goethe e Lessing; Músicos como Beethoven, Haydn e Mozart; Militares como Frederico o Grande, Napoleão e Garibaldi; Poetas como Byron, Lamartine e Hugo; Escritores como Castellar, Mazzini e Espling.

A existência de pessoas dessa magnitude também existiu na América como os libertadores da América foram todos maçons. Washington nos Estados Unidos; Miranda, o Padre da Liberdade sul-americana; San Martin e O`Higgins, na Argentina; Bolivar, no Norte da América do Sul; Marti, em Cuba; Benito Juarez, no México e o Imperador Dom Pedro I no Brasil.

No Brasil, tivemos expoentes como D. Pedro I, José Bonifácio, Gonçalves Lêdo, Luis Alves de Lima e Silva (Duque de Caxias), Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, Prudente de Morais, Campos Salles, Rodrigues Alves, Nilo Peçanha, Hermes da Fonseca, Wenceslau Braz, Washington Luiz, Rui Barbosa e muitos outros, que em vários momentos participaram de alguns dos momentos mais importantes do país, como a Independência, a Abolição e a República.
Isto para citar somente os três maiores feitos da nossa história, em que os maçons tomaram parte ativa.