Sete artistas Maçons que mudaram a Arte Real

Início/Notícias/Sete artistas Maçons que mudaram a Arte Real

Sete artistas Maçons que mudaram a Arte Real

A Maçonaria atrai muitos homens (e mulheres) de todas as classes sociais, e eu já analisei políticos, cientistas e escritores que mudaram e moldaram não apenas a Arte Real, mas também o mundo ao seu redor. Houve também uma série de artistas influentes, gravadores, joalheiros e escultores que se tornaram Maçons, e eu escolhi sete que sinto que mudaram a Arte Real com as suas obras de arte únicas. É uma lista pessoal e uma centrada no “mundo Inglês”, mas sinto que todos tiveram um impacto importante na sociedade. Quem é que você escolheria?

John Harris

John Harris, nascido em 1791, foi um pintor de miniaturas e desenhista de arquitectura de profissão. Foi iniciado como Maçon em 1818 e em 1823, publicou um pequeno conjunto de projectos para Painéis de Loja. Em 1846, a Emulation Lodge of Improvement, subordinada à Grande Loja Unida de Inglaterra (UGLE), solicitou projectos para novos Painéis de Loja, com a ideia de as harmonizar, criando um modelo oficial para cada grau. A propostas enviadas por John Harris foram aceites. O conjunto premiado foi usado na Emulation Lodge of Improvement e em vários outros conjuntos pintados para outras Lojas integrantes da UGLE. Em 1849 ele publicou um conjunto que desde então tem sido usado como um design padrão para a Arte Real. Em 1857, o irmão Harris perdeu a visão, tendo falecido em 1872.

John Pine

John Pine

John Pine foi um gravador e cartógrafo que desenhou e gravou o frontispício da edição de 1723 das Constitutions of Free Masons. Pine continuou a projectar para uma lista de lojas para a Premier Grand Lodge, que também incluía os vários letreiros das tabernas onde as Lojas se encontravam. Pine era amigo íntimo de William Hogarth e o seu trabalho sobre as Constitutions em particular, com o seu simbolismo e o retrato de uma cena inicial da Grande Loja, foi celebrado por diverso estudiosos maçónicos.

John Cole

John Cole publicou pela primeira vez um projecto de Painel de Loja no “Illustrations of Masonry”, em 1801. Este projecto teve uma certa popularidade por alguns anos, e passou a inspirar outros artistas e impressores, especialmente o trabalho de John Harris. Os Painéis de Loja de Cole incluíam um pavimento em forma de diamante, em vez do pavimento quadrado, e a escadaria em espiral começando no Noroeste.

Thomas Harper

Thomas Harper

Thomas Harper, um ourives e fabricante de jóias maçónicas, foi nomeado Vice-Grão-Mestre e tornou-se uma figura de topo nas negociações que permitiram a reunião das duas Grandes Lojas. Harper era membro, quer dos Modernos, que dos Antigos, mas foi expulso e depois reintegrado pelos Modernos durante o curso do processo. As suas jóias maçónicas tornaram-se objectos de coleccionador e inspiraram a fabricação de jóias maçónicas desde então.

Josiah Bowring

Josiah Bowring era um pintor de retratos de profissão. Foi iniciado em 1795 e morreu em 1831. Os seus projectos para as Painéis de Loja revelam uma influência mais esotérica que passou a inspirar outros artistas e gravadores. Um dos seus Painéis de Loja do terceiro grau revela um caixão aberto com um cadáver dentro. As placas ficaram depois muito mais estilizadas, tendo o início do século XIX sido um momento crucial para o seu desenvolvimento artístico.

Thomas Beckwith

Thomas Beckwith era membro da York Grand Lodge, ao qual aderiu em 1777 e era um artista e pintor de armas. Ele pintou o York Grand Lodge Board, que agora está na posse da Loja York “Union” nº 236, tendo a Loja também uma gravura do seu auto-retrato. Thomas era também um apaixonado historiador e genealogista local; ele coleccionou pedigrees da nobreza de Yorkshire e compilou armas e brasões de famílias, numa colecção que agora pode ser encontrada na Sociedade Arqueológica de Yorkshire. O Painel de Beckwith intrigou seguramente muitos estudiosos maçónicos ao longo dos anos com sua mistura ecléctica de simbolismo e o seu retrato da Cripta de Minster (a Catedral e de São Pedro em York), pelo que merece certamente um lugar nesta lista.

William Hogarth

William Hogarth é talvez o mais famoso satirista do início do século XVIII, com suas gravuras satíricas ainda hoje reconhecíveis. Assim como seu amigo John Pine, Hogarth era um maçon baseado em Londres, e usou temas maçónicos em seu trabalho, como em “Night”, que mostra um maçon bêbado a ser levado para casa. Hogarth serviu como um Grande Mestre de Cerimónias, e o seu trabalho também imortalizou outros maçons do período, como o político radical John Wilkes.

David Harrison

 

Fonte: freemason.pt

By | 2019-09-29T13:22:46+00:00 outubro 7th, 2019|Notícias|Comentários desativados em Sete artistas Maçons que mudaram a Arte Real